SEGURO VIAGEM: POR QUE FAZER?

road 7 - SEGURO VIAGEM: POR QUE FAZER?

Quando a gente organiza uma viagem, a última coisa que queremos pensar é no que pode dar errado. Mas como já dizia minha avó: o seguro morreu de velho!

Não dá pra viajar sem seguro. Esse é um mantra que todo viajante deve entoar.

Imagina se você torce o pé, tem que operar apendicite ou é atropelado quando está viajando no exterior?

Não dá pra esquecer que essas coisas podem acontecer com a gente a qualquer tempo ou em qualquer lugar. E aqui no Brasil, ainda podemos ser atendidos pelo sistema público de saúde ou ser transferido para um hospital particular caso tenha plano de saúde.

Mas e lá fora?

Por que fazer um seguro?

A maioria dos países permite atendimento a estrangeiros no seu sistema de saúde, então se você precisar de atendimento, vai ter que bancar. E vai ser caro! Uma simples consulta nos EUA custa em torno de 200 dólares. Já uma diária hospitalar passa da casa dos 3 mil dólares.

A principal vantagem de fazer um seguro viagem é poder minimizar qualquer situação desconfortável que surja ao longo da viagem. Caso você precise de qualquer atendimento médico, por exemplo, não precisará gastar nada além das suas despesas já previstas na sua viagem.

Junto à cobertura monetária das despesas contratadas, o segurado dispõe de toda assistência às coberturas, como assistência odontológica, fisioterapia, regresso sanitário, translado de corpo, extravio de bagagens, orientação em caso de perda de documento ou cartão de crédito, auxílio para cobrir despesas em caso de cancelamento de viagem e um seguro em caso de invalidez permanente ou morte acidental.

BANNER EBOOK OFICIAL - SEGURO VIAGEM: POR QUE FAZER?

Como funciona o seguro viagem?

O seguro viagem funciona como um plano de saúde temporário e também uma garantia de indenização para várias situações e acidentes. Vai ser válido pelos dias da contratação e dentro das normas específicas de cada contrato.

Então você irá fazer o seguro iniciando na data da sua viagem (quando seu voo sai do Brasil) e o último dia de contratação deverá ser o seu dia de chegada no Brasil (e não o dia que seu voo sai do seu destino, pois se sua bagagem for extraviada em solos brasileiros, ou seja, no dia que você chegar, sua cobertura não estará válida para essa situação).

O comprovante do seguro pode ser levado impresso ou de forma digital (no celular ou tablet). Não esqueça de ter o telefone da seguradora sempre com você.

Como escolher um seguro?

Primeiro você deve avaliar o tipo de viagem que você está fazendo e as coberturas que pode precisar.

Se você irá fazer esportes radicais ou de aventura como snowboard, esqui ou mergulho, deve procurar uma cobertura específica para isso, pois o contrato do seguro padrão não cobre acidentes dessa espécie.

Se for uma viagem mais “comum”, você deve avaliar o que está incluído na assistência.

As principais coberturas oferecem seguro em caso de morte acidental e assistência médica, mas os seguros mais completos chegam a fornecer outras coberturas importantes, como para cancelamento de viagem, extravio e atraso de bagagem, medicamentos, assistência odontológica, repatriação, extensão de internação hospitalar e de diárias em hotéis, passagem de ida e volta para um familiar, assistência jurídica, entre outros.

Não custa dar uma olhada nos valores de alguns procedimentos médicos dos lugares que você está indo. Assim, você consegue avaliar se o seu seguro cobriria esses valores.

Compare todos os seguros que você está interessado e veja qual possui melhor custo benefício.

Países com seguro obrigatório

Em alguns países, a contração de um seguro viagem é obrigatória.

A maior parte dos países europeus é signatária do Tratado de Schengen, que estabelece a obrigatoriedade da contratação de um seguro viagem no valor mínimo de 30 mil euros para todos os turistas.

Os países pertencentes a esse tratado são: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia e Suíça.

Eu nunca tive que mostrar comprovante na alfândega em país europeu nenhum, porém não acho que você deva viajar sem ele, já que não se trata de comprovação e sim, de evitar prejuízos futuros enormes.

Cuba e Austrália também possuem contratação obrigatória do seguro viagem. Em Cuba a cobertura mínima é 10 mil para assistência médica, e a Austrália exige assistência em viagem, mas não estipula um valor mínimo.

Diferença entre seguro viagem e assistência viagem

No seguro você irá arcar com todas as despesas no local e depois será reembolsado. Para isso, terá que ter todos os documentos para comprovar a devolução do dinheiro e os valores devem estar dentro do que foi afixado no contrato.

Já na assistência, você vai entrar em contato com a seguradora assim que estiver diante do problema e ela vai te indicar locais conveniados mais próximos de onde você está, assim não precisará desembolsar nada. Os valores também devem estar dentro do limite contratado.

Ambos estão inclusos em qualquer plano de seguro viagem, e o que faz com que você pague ou não dependerá do hospital que você for, pois se você for num hospital conveniado, estará coberto, mas se for em um de sua preferência, irá arcar na hora e solicitar o reembolso depois.

Essa diferença somente é válida para escolhas de hospital. Para comprar remédios por exemplo, você sempre pagará lá e depois solicitará o reembolso com as notas fiscais.

Seguro do cartão de crédito x seguro seguradora

Os seguros oferecidos pelos cartões variam de cobertura de acordo com o tipo de cartão do usuário. Ou seja, se você é platinum ou acima, sua cobertura será maior.

De qualquer forma, é preciso solicitar o contrato do seguro à administradora do seu cartão para que você analise a cobertura e veja se ela te atende. Pode ser que ela não cubra despesas médicas, por exemplo e você viaje achando que cobre. Já imaginou a furada, né?

Além disso, a grande maioria dos seguros de cartão funcionam no estilo reembolso que eu expliquei lá em cima. Ou seja, você terá que arcar com todas as despesas locais para depois ser reembolsado. Eu sinceramente acho isso muito complicado, pois se você precisar de uma cirurgia, vai ter que ter em torno de 30 mil dólares pra pagar um hospital nos EUA, por exemplo. Socorro!

Já no seguro com a seguradora, você que escolhe o plano e as coberturas e viaja ciente de todos os seus direitos. Além de poder usar hospitais e clínicas conveniadas e assim não ter que arcar com nada no local. Sem preocupação.

Quanto custa um seguro viagem?

Pode parecer que vai ser caro, mas garanto que será uma parte pequena do seu orçamento viagem. Agora em julho fui para Europa e paguei 262 reais por 19 dias de seguro. Esse valor não vai impactar nada sua viagem e vai te ajudar muito caso qualquer eventualidade aconteça.

Diferença entre seguro bagagem complementar e suplementar

O seguro de bagagem complementar – como o próprio nome diz –, completa a indenização paga pela companhia aérea até o valor estabelecido na apólice.

Por exemplo: se o valor para extravio de bagagem descrito na apólice é de R$500,00 e a companhia aérea paga R$200,00, você receberá do seguro um valor de R$300,00 de indenização.

Já com o seguro suplementar, você terá direito a receber, além do valor pago pela companhia, o valor estabelecido na apólice.

Por exemplo: se sua apólice for no valor de R$500,00 para extravio bagagem e a companhia aérea lhe pagar R$200,00 de indenização, você irá receber os RS500,00 da seguradora + os R$200,00 da companhia aérea, resultando em um total de R$700,00 de indenização.

Quando fazer o seguro?

Você pode fazer até no dia de embarcar no seu voo, mas deve fazer antes de viajar. Se por acaso, você já estiver viajando e decidir prolongar sua viagem, entre em contato com sua seguradora alguns dias antes do seu seguro vencer e peça para eles estenderem o mesmo.

Gestantes e pessoas acima de 70 anos

Para esses casos, os valores dos seguros contratados serão maiores, pois exigem um cuidado e especificidades maiores. Idosos acima de 70 anos normalmente pagam 50% a mais nos valore regulares das apólices.

Como eu disse antes, viajar com um seguro viagem é imprescindível e faz toda a diferença. Não faça uma economia boba, pois como já diz o ditado: o barato pode sair caro.

Eu costumo cotar meus seguros em sites buscadores que agrupam todas as seguradoras existentes. Assim eu posso avaliar as coberturas e escolher a que tem melhor custo benefício pra mim.

Indico a Seguros Promo, que é parceira aqui do blog e é de inteira confiança, além de ter uma equipe sempre a postos.

Consegui para os meus leitores um cupom de desconto de 5% na compra de qualquer seguro no site: WENEEDISTRAVEL5

Pra cotar o seu seguro clique aqui nesse link QUERO COTAR MEU SEGURO VIAGEM.

Qualquer dúvida que tiverem, podem colocar aqui nos comentários que eu corro atrás das informações pra responder vocês.

Beijos,

Flavia Goulart

Autor: Flavia Goulart

Flavia Goulart é carioca e ama viajar. Hoje com 32 anos, segue o lema “trabalhar pra viajar”, já conheceu 26 países e assim vive feliz da vida!